Entrada da Cidade

Confraria elege as melhores cachaças do Brasil. Há rótulos de 18 estados

Mil e cem rótulos de todos os estados do País concorreram nesta primeira fase. Foram mais de 43 mil votos

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 2017Por Nilson Regalado11h30
Dentre as 249 marcas selecionadas para a segunda fase há cachaças de 17 estados e do Distrito FederalFoto: Divulgação

Aroma da Serra, Arretada, Boazinha, Caboclinha Donzela, Canarinha, Colombina, Cobiçada da Paraíba, Dama da Noite, Fabulosa, Havana, Leblon, Lourinha, Mel de Minas, Nascente Velho Chico, Nega Fulô, Porto Morretes, Princesa Isabel, Prosa Mineira, Paratiana, Salinas, Sapequinha, Seiva da Cana, Seleta, Sanhaçu, Tiziu, Corisco e Volúpia são algumas das 249 cachaças selecionadas pelo voto popular durante a primeira fase do III Ranking Cúpula da Cachaça.

Mil e cem rótulos de todos os estados do País concorreram nesta primeira fase. Foram mais de 43 mil votos. Dentre as 249 marcas selecionadas para a segunda fase há cachaças de 17 estados e do Distrito Federal.

Tradicional produtora desde os tempos do Brasil Colônia, Minas Gerais lidera o ranking, com 77 rótulos escolhidos, seguida de São Paulo, com 37; do Rio de Janeiro, com 32; e da Paraíba, com 21. Rio Grande do Sul e Bahia classificaram 19 cachaças cada um para a segunda fase do concurso.

Agora, um júri formado por pesquisadores, jornalistas, sommeliers, apreciadores e estudiosos, incluindo 13 mulheres, vai provar e selecionar as 50 melhores do Brasil.

Depois, as 50 cachaças selecionadas na segunda etapa irão para degustação às cegas durante dois dias, no final de janeiro. Nessa última fase, os 12 fundadores da Cúpula da Cachaça se reunirão na Cachaçaria Macaúva (Analândia/SP) e analisarão aspectos visuais, olfativos e sensoriais de cada uma delas, estabelecendo pontuações para cada quesito visando a definição do ranking final com as melhores cachaças do Brasil em 2017.

O agro e o Porto I
Os ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores negociam o uso do Porto de Las Palmas, nas Ilhas Canárias, Espanha, para redistribuição de cargas do agro brasileiro em navios menores com destino a portos na África. O segundo encontro nesse sentido aconteceu nesta semana, em Porto Alegre.

O agro e o Porto II
O Governo do Paraná oficializou na terça-feira sua disposição em construir uma ferrovia ligando o Porto de Paranaguá a Dourados, no Mato Grosso do Sul. O projeto foi apresentado durante encontro com empresários, em SP. O trecho tem mil quilômetros e custo estimado em R$ 10 bi.

Produção de peixe em...
O Globefish Highlights, relatório da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO/ONU), prevê que a produção global de peixes e produtos pesqueiros fechará 2017 com crescimento de 2,3% na comparação com 2016. O documento foi divulgado nesta semana.

...cativeiro crescerá 5% este ano
O crescimento deve-se, principalmente, ao aumento de 5% na produção de peixes, moluscos, crustáceos e algas em cativeiro (aquicultura) em todo o mundo e à recuperação nas capturas de anchoveta pelos barcos pesqueiros na América do Sul após o fim do El Niño.

A tangerina do Brasil
Após 20 anos de pesquisa, o Instituto Agronômico de Campinas acaba de lançar a primeira tangerina 100% brasileira. Batizada de Maria, a fruta causa menor impacto ambiental por reduzir a dependência de agrotóxicos, além de ter menos sementes e coloração intensa.

Celebridade vira-lata
Desde o final de outubro está à venda o calendário 2018 da ong Celebridade Vira-Lata. A renda vai toda para castração de animais carentes. Segundo a entidade, em nove anos foram feitas dez mil castrações. Informações: www.celebridadeviralata.com.br.
Réveillon no campo (sem fogos).

O Instituto Pindorama promete um Réveillon diferente, sem fogos nem álcool, para quem busca saúde física e espiritual. O programa vai de 29 de dezembro a 1º de janeiro e inclui alimentação crudívora, culinária vegana, meditação, yoga, tai chi chuan e danças sagradas. O Pindorama fica em Nova Friburgo, na Serra Fluminense.

Filosofia do campo:
“Não chores porque já terminou, sorria porque aconteceu”, Gabriel García Marquez (1927/2014), jornalista e escritor colombiano.

Colunas

Contraponto