Entrada da Cidade

Bertioga transforma rodoviária sem funcionamento em complexo turístico

Atendendo antigo pedido dos moradores, Prefeitura apresenta solução para área na Vista Linda que pode gerar mais de mil empregos diretos

Comentar
Compartilhar
09 NOV 2018Por Da Reportagem18h20
Prefeitura lançará nos próximos meses um Programa de Manifestação de Interesse (PMI) para grupos empresariais dispostos a construir um novo terminalFoto: Divulgação

O bairro Vista Linda vai mudar de cara em breve. Após três anos entregue e sem utilização, a rodoviária construída no local está a um passo de se transformar em um grande complexo de turismo, transporte e entretenimento. Após estudos de viabilidade, a Prefeitura lançará nos próximos meses um Programa de Manifestação de Interesse (PMI) para grupos empresariais dispostos a construir um novo terminal rodoviário interligado a lojas, espaço para shows, cinema e mirante, além de dois outros grandes empreendimentos.

A obra da rodoviária que existe hoje foi iniciada em 2010 e praticamente terminada em 2015, mas nunca chegou a funcionar, por não ser rentável e ter estrutura inadequada. O investimento de cerca de R$ 40 milhões não terá custo para o Município e deve gerar mais de mil empregos diretos.

O prefeito de Bertioga, Caio Matheus, lembra que as licitações anteriores para o funcionamento da rodoviária não tiveram interessados, porque o projeto foi feito errado. Para resolver esse problema, a Prefeitura contratou um estudo de viabilidade para avaliar o potencial do atual projeto.

“Às vezes é mais difícil reformar e consertar, do que fazer do zero. O projeto foi feito errado. Esse tipo de equipamento não é para a Prefeitura administrar e colocar um funcionário público para tomar conta. Entendo ser esse o caminho para deixar o projeto de pé. Acredito na modelagem que esta sendo feita, como é realizado em muitos lugares do Brasil: conceder a permissão de uso e exploração para um grupo econômico interessado em fazer a gestão do equipamento”.

O projeto idealizado pela Administração atual prevê a cessão de três áreas públicas para a construção de um grande complexo. Após a licitação, a expectativa da Prefeitura é que o prédio da nova rodoviária esteja pronto e funcionando entre o final de 2019 e começo de 2020.

Rodoviária

Em contrapartida à PMI, sem qualquer custo para a Cidade, a empresa construirá uma nova rodoviária, funcional, em cima do atual terminal, interligada a três pavimentos com 60 lojas, praça de alimentação com 10 lojas, uma grande loja âncora, espaço para shows, cinema multiplex, mirante e estacionamento, com andares interligados por elevadores e escadas rolantes.

Ônibus municipais e intermunicipais transitarão por dentro da nova rodoviária, recebendo cerca de 12 mil pessoas diariamente. Segundo estudos, o terminal de integração reduzirá o tempo dos trajetos das linhas em até 30% e diminuirá o tempo de espera pelos ônibus de uma hora para 10 minutos, dependendo da linha.

Conveniência e supermercado

Uma segunda área de 3.600 m², ao lado da atual rodoviária, dará lugar a uma edificação com estacionamento, posto de combustíveis e lanchonete. A ideia é torná-la um ponto de conveniência para quem transita pela Rodovia Rio-Santos, nos moldes de postos de conveniência à beira de estradas. Já em uma terceira área, de 9.000 m2, onde hoje existe um campo de futebol, haverá um grande hipermercado.

A empresa que, ao final do processo, cumprir os requisitos e vencer a licitação poderá explorar comercialmente todo o complexo e deve operacionalizar o terminal. O grupo que vencer a concorrência pode também incrementar o projeto sugerido pela Prefeitura.

O diretor de Trânsito e Transportes destaca a importância do projeto para a melhoria no transporte municipal e para o desenvolvimento do local e da Cidade. “O bairro que mais cresceu em demanda é o Chácaras. Um empreendimento deste porte trará grande impacto, positivo, para a comunidade, economia e qualidade de vida”.

Colunas

Contraponto