Entrada da Cidade

Baixada Santista tem a menor cobertura vacinal de São Paulo

Desde o início da campanha, em 25 de janeiro, 352.375 moradores da região foram vacinados, faltando ainda 1,1 milhão

Comentar
Compartilhar
20 FEV 2018Por Vanessa Pimentel08h00
A Baixada Santista tem a menor cobertura vacinal do EstadoFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A Baixada Santista tem a menor cobertura vacinal do Estado, com apenas 23,1% do público-alvo vacinado, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Desde o início da campanha, em 25 de janeiro, 352.375 moradores da região foram vacinados, faltando ainda 1,1 milhão.

Na última semana e no Dia D, realizado no sábado passado, o número de pessoas que procurou os postos de vacinação aumentou, mas a meta total que inclui 1,5 milhão de habitantes que residem nas nove cidades da Baixada ainda está longe de ser alcançada.

A demora em procurar a vacina, na visão da chefe do Departamento de Vigilância em Saúde de Santos, Ana Paula Valeiras, pode estar relacionada ao status inicial da campanha, quando após a correria aos postos, foi pedido calma à população, já que não havia casos na região e a campanha seria apenas de cunho preventivo.

“Isso tranquilizou a população que só se deu conta da necessidade de se imunizar após a divulgação dos casos suspeitos na Região, na semana passada”, acredita Ana Paula.

Questionada se as pessoas que não conseguirem tomar a vacina durante a campanha terão acesso à dose após o encerramento dela, Valeiras explicou que é preciso esperar a divulgação da estratégia do Ministério da Saúde.

“Ainda não sabemos como será a distribuição da vacina quando a campanha acabar, por isso é importante que as pessoas procurem se imunizar”, diz.

Prorrogação

A Baixada Santista tem, até o momento, um caso de morte confirmado pela doença em Itanhaém. Em relação às suspeitas, São Vicente é o munícipio com maior número de pacientes investigados: quatro, e um importado confirmado. Peruíbe tem dois em investigação e Santos, um.

Com a chegada do vírus na região, quatro cidades – Guarujá, São Vicente, Santos e Praia Grande – decidiram prorrogar a campanha, que se encerraria no dia 17, antes mesmo da decisão ser anunciada pela Secretaria de Saúde do Estado e divulgada ontem.

Agora, a ação segue até o dia 2 de março. Em todo o Estado, cerca de 5,8 milhões de pessoas ainda deverão comparecer aos postos.

No balanço do último Dia D divulgado pela Secretaria, 9,2 milhões de pessoas ainda não foram vacinadas, em 54 cidades.

“Decidimos prorrogar a campanha para garantir que todas as pessoas que precisam sejam vacinadas contra a febre amarela. A imunização é a principal forma de proteger a população contra a doença”, afirma a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

Metas

Em Santos, a meta é vacinar 320 mil pessoas. Até sábado, o balanço informou a imunização de 84.179 munícipes. Só no Dia D, mais de 22 mil pessoas foram vacinadas. A campanha prosseguirá de segunda a sexta, das 9h às 16h, nas mesmas 22 unidades, enquanto durarem os estoques e também nos postos volantes.

De acordo com a chefe da Policlínica da Aparecida, a enfermeira Eliane Bittencourt, todos que já receberam a dose plena da vacina não precisam se imunizar novamente. “A contraindicação da vacina é para as crianças menores de nove meses, gestantes, pessoas com baixa imunidade e que fazem uso de corticóide em alta dosagem, devendo ser avaliado a quantidade e os dias de uso do medicamento. Qualquer dúvida, o paciente deve passar por avaliação médica”.

A profissional também explica que os maiores de 60 anos precisam passar por avaliação de um médico, para que o profissional autorize a vacinação por escrito, certificando que não há comprometimento no quadro imunológico do paciente.

Para se vacinar é necessário apresentar documento de identidade com foto (RG ou CNH, por exemplo) ou certidão de nascimento (no caso de crianças), sendo recomendado levar o Cartão SUS e a caderneta de vacinação. Os idosos também devem mostrar a autorização médica.

Em Cubatão foram vacinadas 30.011 pessoas durante a campanha, o equivalente a 28,8% da meta de 104 mil. Apenas no último Dia D, 11.040 foram imunizadas.
Peruíbe tem 19.200 pessoas vacinadas. Já Bertioga vacinou 18.632 para uma meta de 46 mil. Em Mongaguá foram aplicadas 25.959 doses da vacina contra a Febre Amarela (sendo 7.478 doses apenas no último dia D). Itanhaém conta com 41.884 imunizações.

São Vicente, por meio da Secretaria de Saúde (Sesau), informou que desde o início da campanha até o último sábado foram aplicadas mais de 65 mil doses (25 mil no Dia D, realizado sábado). São 24 unidades de saúde realizando a imunização no Município, com atendimento das 9h às 15h30, além do Posto do Itararé, das 8 às 12h.

Dose

A campanha está sendo realizada com dose fracionada da vacina, conforme diretriz do Ministério da Saúde. O frasco convencionalmente utilizado na rede pública poderá ser subdividido em até cinco partes, sendo aplicado assim 0,1 mL da vacina. Estudos evidenciam que a vacina fracionada tem eficácia comprovada de pelo menos oito anos.

Colunas

Contraponto