Ademário lidera com 25,37% em Cubatão, aponta pesquisa Opinião/DL

Candidato do PSDB aparece com pouca vantagem na corrida eleitoral. Wagner Moura está em segundo lugar

Comentar
Compartilhar
20 SET 2016Por Diário do Litoral11h30
Ademário da Silva Oliveira (PSDB) lidera a pesquisa em CubatãoFoto: Diário do Litoral

Com 25,37% das intenções de voto, o vereador Ademário da Silva Oliveira (PSDB) lidera a pesquisa feita pelo instituto Opinião Pesquisa, Análise e Consultoria Ltda a pedido do Diário do Litoral, sobre a eleição para a prefeitura de Cubatão. O ex-parlamentar Wagner Moura (PMDB) está em segundo lugar, com 18,41%. A seguir aparecem os também vereadores Adeildo Heliodoro dos Santos, o Dinho Heliodoro (SD), com 16,67%, Severino Tarcisio da Silva, o Doda (PSB), com 15,17%. Em último lugar está o candidato do governo, Fábio Inácio (PT), com 7,96%.

Os eleitores que declararam que não votariam em nenhum dos candidatos somam 9,95%. Já os que não souberam responder chegam a 6,47%.

O levantamento ouviu 402 pessoas, entre os dias 14 e 15 de setembro. A margem de erro para o total da amostra é de 4,9%, para mais ou para menos, considerando-se o coeficiente de confiança 95%. A pesquisa foi contratada pelo Jornal Diário do Litoral e foi registrada com o número SP- 04540/2016 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O candidato petista possui também a maior rejeição entre os eleitores entrevistados pela pesquisa. Fábio Inácio atingiu 31,59%. Com histórico ligado ao governo da atual prefeita Marcia Rosa (PT), tendo sido secretário de Habitação e chegando a assumir a prefeitura em 2014, Wagner Moura chegou a 15,42%. Em terceiro lugar esteve Doda, com 14,93%. Na sequência aparecem Ademário, com 11,44% e Dinho Heliodoro, com 7,96%. Os que rejeitaram todos os candidatos somam 5,97%. Os eleitores que não rejeitaram nenhum dos nomes chegam a 4,48%. Não souberam responder 8,21% dos entrevistados.

Segunda opção

Wagner Moura lidera as intenções de voto como segunda opção. O peemedebista possui 15,92%. Ele é seguido por Dinho Heliodoro, com 14,68% e Doda, com 13,18%. Líder nas pesquisas, Ademário só aparece na quarta colocação, com 12,69%, seguido por Fábio Inácio, com 6,22%. Os entrevistados que não votariam em nenhum dos candidatos totalizam 27,86%. Os eleitores que não sabem ainda em quem votar somam 9,45%.

Espontânea

Apesar do cenário de candidatos definidos, também foi realizada uma pesquisa espontânea para o candidato à prefeitura de Cubatão. Neste cenário, Ademário (PSDB) lidera com 16,92%. Wagner Moura (PMDB) aparece em segundo lugar, com 10,45%, enquanto Dinho Heliodoro (SD) alcançou 9,95% e Doda (PSB), 8,21%. O vereador e candidato do PT, Fábio Inácio, ficou com 3,48%.

O parlamentar César (PSDB), o candidato a vereador Joziel Lima-Chinha (PSB), a atual prefeita Marcia Rosa (PT) e o ex-prefeito Nei Serra (PSDB) obtiveram 0,25%. Os que não votariam em nenhum dos candidatos ou anulariam o voto totalizam 12,44%. Indecisos ou que não sabem em quem vão votar somam 37,56%.

Ampla maioria quer mudança na administração de Cubatão

A pesquisa realizada pelo Instituto Opinião e encomendada pelo DL deixa clara a posição do eleitor cubatense. Ele quer mudança na administração municipal.

O resultado junto ao eleitorado aponta que a grande maioria dos entrevistados não quer a continuidade da atual administração. 87% das pessoas que responderam ao questionário querem uma nova administração, enquanto apenas 3% optaram pela continuidade. Os que são indiferentes somam 3% e os que não souberam opinar, 1%.
A aspiração por mudança acompanha a queda do candidato governista Fábio Inácio (PT) e a influência da atual prefeita, Marcia Rosa (PT) como uma das principais figuras de apoio do atual vereador.

Segundo a pesquisa, quando questionados sobre a influência do apoio da chefe do Executivo a um candidato a prefeito, cerca de 65% apontaram que, com certeza, não votariam neste prefeiturável. Já para 29%, o apoio de Marcia Rosa é indiferente, enquanto para 5%, a influência da petista motiva o voto em Fábio Inácio. Já 1% não soube responder.

Rejeição

Quando perguntado sobre a possibilidade de voto em cada candidato individualmente, o petista também está em desvantagem sobre os outros concorrentes. Cerca de 67% dos eleitores assumem que a possibilidade de votar em Fábio Inácio está entre baixíssima e baixa, enquanto somente 16% enxergam grandes chances de manter o governo atual no Paço Municipal.

Em comparação a outros candidatos, o petista é o único qual a rejeição ao voto ultrapassa os 60%. Doda (PSB) alcançou 57% de possibilidade baixa de voto. No mesmo quesito, Dinho Heliodoro (SD) e Wagner Moura (PMDB) atingiram 53%, enquanto Ademário (PSDB), que lidera as pesquisas, está com 48% de possibilidade baixíssima e baixa de voto.

Da mesma forma, a intenção de voto favorável coloca o candidato governista em desvantagem. Ademário lidera com 34% de possibilidade alta ou altíssima de voto. Ele é seguido por Dinho, com 29%, Wagner Moura, com 28% e Doda, 25%. Isso deixa Fábio Inácio com 10 pontos percentuais atrás do quarto colocado.

Ricardo Queixão lidera pesquisa para vereador em Cubatão

O vereador Ricardo Queixão (PDT) lidera a pesquisa de intenção de voto para a Câmara de Cubatão encomendada pelo Diário do Litoral ao Instituto Opinião.

Na pesquisa espontânea Queixão, que foi o sexto mais votado em 2012, obteve 4,98% das intenções de voto. Em segundo lugar ficou o vereador César (PSDB), com 2,74, seguido por Lalá (SD), com 2,49%.

Na sequência aparecem Katia (PPS), com 1,99%, e empatados com 1,74% Allan Matias (PRB) e o vereador Roxinho (PMDB). Os vereadores Ivan Hidelbrando (PSB) e Jair do Bar (PT) somaram 1,49% das intenções de voto. Também atingiram a mesma porcentagem Carioca (PSDB), Dr. Anderson (PRB), Rafael Tucla (PT) e Toninho Vieira (PSDB).

Já Gallo (PSDB), Joziel Lima (PSB), Pastor Valdeci (PRB), Sergio Calçados (PPS), Wellington Santos (PSB) e Wilson Pio (PSDB) somaram 1,24%.  Ainda com 1% estão empatados Alessandro Oliveira (PRB), Bianca Lira (PSDB), Pastor Carlos Lage (PRB), o vereador Fabio Moura (PMDB), Pádua (PT) e Rodrigo Alemão (PSDB).

Atual presidente da Câmara de Cubatão e candidato à reeleição, Aguinaldo Araújo (PDT) foi citado por eleitores, mas não alcançou 0,5%. Os indecisos ou que não sabem em que votar são 22,88%. Entre os que anulariam o voto ou não votariam em ninguém para vereador estão em 6,22%.

Uma certeza e várias dúvidas

Por Nilton Cesar Tristão

A cidade de Cubatão transformou-se em mais um exemplo de repúdio popular ao modelo de gestão petista. Aproximando-se da finalização dos oito anos de mandato da Prefeita Márcia Rosa, 87% dos eleitores cubatenses manifestam o desejo de sufragar o voto em um candidato que represente a mudança em relação à presente gestão: 65% afirmam que não optarão por um concorrente apoiado ou chancelado pela alcaide.

Circunstância que, na prática, reflete diretamente no desempenho eleitoral do postulante de sua agremiação, Fábio Inácio (PT), que aparece em último colocado na aferição estimulada com 8% das citações e no questionamento de segunda opção de voto com 6%, além de pontuar com 32% no quesito que mensura a rejeição através do disco (onde estão inseridos os nomes dos candidatos apresentados aos entrevistados).

Porém, no momento em que foi solicitado ao eleitor que escolhesse individualmente cada um dos pretendentes inseridos na disputa pelo comando do executivo municipal, 53% relataram ser zero a possibilidade de votar em Fábio Inácio. Ou seja, a chance do Partido dos Trabalhadores em permanecer administrando o município tornou-se uma hipótese absolutamente remota, inverossímil e improvável.

Nesse sentido, as reais viabilidades de êxito eleitoral espreitam as candidaturas do tucano Ademário, com 25% das intenções de voto, do peemedebista Wagner Moura, com 18%, do solidário Dinho Eliodoro, 17% e do socialista Doda, 15%. Cenário que vislumbra disputa verdadeiramente acirrada entre as quatro denominações partidárias.

No campo da rejeição medida individualmente (nome a nome), evidencia-se novamente um equilíbrio desconcertante, tendo Wagner e Doda com 39% do eleitorado manifestando a pretensão de não legitimar suas aspirações nas urnas, Dinho com 38% e Ademário ostentando 36% das negativas.

No momento em que somamos a primeira e a segunda opções, que denominamos aqui como potencial de voto, Ademário atinge o índice de 39%, Wagner Moura 34%, Dinho 31% e Doda 28%. Diante dessa realidade, e através dos cálculos extraídos deste levantamento, as tendências apontam para um leve favoritismo do competidor tucano.

Contudo, as evidências estatísticas não permitem conjecturar decisivamente o desfecho da contenda do dia 2 de outubro de maneira peremptória e assertiva, pois Cubatão, possivelmente, terá a disputa mais acirrada do litoral sul paulista.

Entenda como foi distribuída a amostragem da pesquisa

Para realizar as 402 entrevistas com eleitores na pesquisa encomendada pelo Diário do Litoral, o instituto Opinião Pesquisa, Análise e Consultoria Ltda dividiu a cidade de Cubatão em 11 grandes regiões, subdividas em 22 regiões menores.

A maioria das entrevistas foi realizada na região Nova (14%). Ela era composta por duas sub-regiões, a oito (Vila Nova), com 10% da amostra e a dez (Vila São José), com 4%. Na sequência ficou a Esperança (13%), composta pela sub-região 21 (Vila Esperança e Paranhos).

O Casqueiro concentrou 11% da amostragem. A região englobou as subdivisões doze (Parque São Luis e Sítio São Luiz), com 2%, e treze (Jardim Casqueiro, Vila Ponte Nova e Vila Bandeirantes), com 9%.

As regiões Natal, formada pela sub-região nove (Vila Natal e Costa Muniz), Cota 200, formada pelas sub-regiões 19 (Cota 200) e 20 (Serra Pilões-zangalá e Itutinga-Pilões), e Caraguatá/Nova República, composta pelas subdivisões 11 (Jardim Nova República) e 14 (Ilha Caraguatá, São José, São Benedito, São Pedro e Inhapium) somaram 10% da amostragem cada.

Cerca de 8% dos entrevistados estavam na região da Anchieta, formada pela sub-região um, dois e três (Vila Elizabeth, Largo do Sapo, Jardim Anchieta, Jardim Costa e Silva, Jardim das Indústrias e Parque Fernando Jorge), e a subdivisão quatro (Jardim São Francisco).

Três regiões concentraram 7% da amostragem total cada. São elas Santa Rosa, formada pelas sub-regiões 5 e 6 (Centro, Jardim Nossa Senhora de Fátima, Vila Couto e Vila Canadá), e sete (Santa Rosa, Vila Padre Manoel da Nóbrega e Jardim 31 de Março). A região dos Pescadores agregou somente a subdivisão 22 (Vila dos Pescadores), enquanto Pinhal de Miranda juntou as regiões 16 e 17 (Vila Fabril e Vila Light) e dezoito (Pinhal de Miranda).

A menor concentração da pesquisa ficou na região do Vale Verde. Abrigando só a sub-região 15 (Vale Verde), o instituto Opinião entrevistou 3% dos eleitores ouvidos na amostragem.

Colunas

Contraponto