Unip

Contraponto

  •  

    Agora vai

    Texto do deputado Marcelo Squassoni (PRB), um dos principais apoiadores do Governo Michel Temer (MDB) e presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. “Hoje (ontem) é o Dia D. Logo mais, às 14 horas, acontece uma nova rodada de negociações com os ministros Carlos Marun (Secretaria de Governo); Moreira Franco (Minas e Energia) e Valter Casimiro (Transportes, Portos e Aviação Civil), no Palácio do Planalto, para discutir o que o Governo pode fazer de efetivo e imediato para solucionar a crise dos combustíveis. Essa reunião é uma continuação de outra realizada ontem, quando saímos direto da audiência pública que eu presidi e que tratou sobre o tema, direto para o Planalto. O Governo pediu 24 horas de prazo e hoje o que esperamos é uma resposta, que precisa ser firme e decisiva”. Apaga a luz.

  •  

    Visão

    Um segundo, bem conhecido da região, o deputado Beto Mansur (MDB), se manifestou: “não tem cabimento aumentar o preço dos combustíveis em função do preço do barril do petróleo, no mercado internacional. Temos uma administração (Pedro Parente – presidente da Petrobrás) que muitas vezes, na minha visão, extrapola no preço do diesel, da gasolina e do GLP”, disse, alertando que, em média, 80% do combustível é produzido no País. Mentira, jura?

  •  

    Paulinho também

    Outro deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (Solidariedade) não menos apoiador do atual Governo. “O Brasil vive hoje a maior crise de desabastecimento nos postos da história. É inconcebível ver o Brasil se apagar dessa forma. Aqui o meu repúdio ao que está sendo feito com os caminhoneiros e famílias brasileiras. Veja só quem é o responsável por tudo isso que está acontecendo hoje”.

  •  

    Mais descobertas

    Outro grande apoiador, o senador Magno Malta (PR), se manifestou ontem em total e irrestrito apoio aos sofridos caminhoneiros do Brasil. Para Malta, a categoria é o elo mais importante da cadeia produtiva brasileira. Ele deve ser vice de Bolsonaro.

  •  

    Muito importante

    O vereador Zequinha Teixeira e o Deputado Federal Goulart, ambos do PSD, estiveram reunidos com o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB). O encontro serviu para assinatura e liberação de recursos para o município no valor de R$ 222 mil destinados pelo deputado. Os valores serão utilizados para revitalização dos passeios públicos da Rua Alexandre Martins e Luiz Marques Gaspar, nos trechos próximos ao Conjunto Habitacional Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, popularmente conhecido como BNH, no bairro da Aparecida.

  • quarta
    23 de maio
  •  

    Oposição, ora oposição

    As três denúncias protocoladas e lidas na Câmara de Vereadores de Mongaguá contra o prefeito Artur Parada Prócida e o vice Márcio Melo Gomes, o Márcio Cabeça, ambos do PSDB, não partiram de nenhum vereador de oposição, mas sim, de munícipes inconformados com a Administração. Desde o último dia 9, quando foi autuado em flagrante por lavagem de dinheiro e corrupção pela Polícia Federal (PF), na Operação Prato Feito, deflagrada por conta desvio de recursos da União destinados à educação, a Cidade está sob a batuta do presidente da Câmara, Rodrigo Cardoso Biagioni, Rodrigo Casa Branca (PSDB) que, apesar de ser tucano, era oposição à Prócida.

  •  

    O único

    Na votação que gerou a criação de duas comissões parlamentares de Inquérito (CPI´s) contra a dupla Cabeça/Prócida, somente Sérgio Silvestre Rodrigues, o Guinho (PRP) votou contra. Dez votaram a favor, Guilherme Prócida (PSDB), filho do prefeito foi impedido de votar e o vereador Antônio Eduardo dos Santos, o Baianinho (PMDB) não compareceu sob o argumento que a mulher estava doente. Então tá. As CPI´s têm 90 dias para concluir as investigações e apresentar relatórios finais. Só depois é que a Casa decide o futuro político de Prócida. As acusações são basicamente de crime de responsabilidade e conduta incompatível com o cargo, baseadas Lei Orgânica do Município (LOM). (PSDB), também está sendo investigado junto com o prefeito.

  •  

    Prefeito Eterno

    Vale a pena lembrar que, ano passado, os vereadores de Mongaguá aprovaram um projeto de decreto legislativo que concedia o título de ‘Eterno Prefeito’ a Prócida. A brilhante ideia, vereador José ­Pedro Faccina (PPS), causou indignação geral na Cidade, antes mesmo do escândalo descoberto pela Polícia Federal. A proposta acabou sendo arquivada após a população iniciar um abaixo-assinado contra a bajulação política. 

  •  

    Negado

    Ainda vale a pena ressaltar que o ministro Felix Fischer, da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou liminar em habeas corpus ao quase ‘Prefeito Eterno’. O mérito do habeas corpus ainda será julgado pela corte em data a ser definida. Ele continua preso preventivamente. Prócida foi autuado em flagrante. Na casa dele, em Mongaguá, agentes da Polícia Federal apreenderam, durante a manhã, R$ 4,6 milhões e US$ 216,7 mil.

  •  

    Reajuste

    Na mesma sessão de instauração das CPI´s, os vereadores aprovaram um reajuste salarial em 9,24% dos servidores. O projeto de lei complementar de autoria do Executivo. Ou seja, de Rodrigo Casa Branca.

  • terça
    22 de maio
  •  

    MP atende Fabrício

    O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito civil para apurar a falta de medicamentos e eventuais irregularidades na aquisição, reposição e disponibilização dos remédios pelo Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Santos. A denúncia foi do vereador Fabrício Cardoso (PSB).

     

  •  

    Desde dezembro

    Em dezembro do ano passado, após receber diversas reclamações de munícipes a respeito da ausência de remédios no local, o vereador enviou um ofício ao Departamento Regional de Saúde (DRS), solicitando que medidas urgentes fossem tomadas. Numa das denúncias recebidas, o medicamento Sabril, na ocasião, era um dos que estavam em falta.

  •  

    Burocracia

    Segundo Fabrício, a parcela que depende diretamente desse serviço público de saúde encontra-se, ainda, refém da burocracia. Além disso, outros fatores como o tempo perdido em trâmites internos de aquisição e reposição postergam ainda mais a chegada do medicamento às mãos dos pacientes.

  •  

    Até no aterro

    Sobre a nota publicada no último dia 18, intitulada “Política ou Politicagem?”, o vereador Rui de Rosis (MDB) esclarece que devido à a falta de estrutura para o atendimento das cardiopatias congênitas, resolveu ir ao Guarujá, acompanhado pelo Vereador Benedito Furtado (PSB), onde acontecia um evento com a presença do Governador Márcio França, para conversar com ele sobre o tema. “Pouco importa o local onde está, mas a conversa aconteceu e nem me agrada a tal pompa e circunstância que a nota pressupõe, caso o encontro acontecesse no Palácio dos Bandeirantes. Se a conversa tivesse ocorrido no aterro sanitário da cidade e trouxesse os objetivos pretendidos, eu lá estaria, com certeza”.

  •  

    Bronca

    A queixa do parlamentar santista se dá por conta de, semana passada, ele ter postado um texto nas redes sociais dando a entender que esteve reunido com o governador, quando na verdade, conforme a foto sequencial ao texto, o encontro ocorreu no meio de um evento público, no meio de dezenas de pessoas. “Vale ainda salientar que o governador já estava a par do assunto e, mesmo em meio a tantas pessoas (como a foto mesmo demonstra), ele nos deu a atenção que o assunto requer e me encaminhou para posterior reunião com o secretário Estadual da Saúde. Antes da vaidade política, certamente vem os interesses da população”, discursa.

  •  

    Concurso SV

    Já está tramitando na Câmara de São Vicente o projeto de lei de autoria do vereador Higor Ferreira (PSDB) que visa conceder isenção de pagamento da taxa de inscrição de concurso público às pessoas que tiverem renda mensal de até um salário mínimo e aos comprovadamente desempregados.

  • sexta
    18 de maio
  •  

    Política ou politicagem?

    “Estive hoje pela manhã, juntamente com o vereador Benedito Furtado, em conversa pessoalmente com o governador do Estado, Márcio França, solicitando seu apoio para que possamos resolver a falta de estrutura hospitalar para o tratamento das cardiopatias congênitas na Baixada Santista”. Quem lê somente o texto publicado pelo vereador Rui de Rosis (MDB) tem a impressão que ele e seu companheiro foram recebidos com pompa e circunstância no Palácio dos Bandeirantes. Mas uma foto vale mais do que mil palavras.

  •  

    Assim é fácil

    Esta coluna descobriu, por intermédio de uma fonte de dentro da Progresso e Desenvolvimento de Santos (Prodesan) e tucanos insatisfeitos com a ação, que um diretor da autarquia, membro do Diretório Municipal do PSDB, utilizou o auditório da empresa, semana passada, para uma reunião política em prol de uma pré-candidata a deputada federal da região a qual ele tem estreitas relações. A atitude causou desconforto no Palácio José Bonifácio (Prefeitura) e no Castelinho, sede de Câmara de Santos.

  •  

    Ademário não paga

    A vice-presidente do Conselho Fiscal da Caixa de Previdência de Cubatão, Lais Eliane Alvarez, utilizou a Tribuna Popular da Câmara e garantiu a Caixa não é inviável, como diz o superintendente da entidade e que a Administração Ademário de Oliveira é que não paga os repasses como está previsto em lei. “A dívida da Prefeitura começa com empréstimos pegos na Caixa pelo governo Passarelli, depois Nei Serra e assim por diante. A Companhia Municipal de Trânsito também deve R$ 8 milhões à Caixa de Previdência. Como a Caixa é inviável com tanta gente devendo pra ela?”, questionou.

  •  

    Perdas

    Ela também utilizou sua fala para comentar as perdas de benefícios que os servidores públicos tem sofrido através dos anos pela falta desses repasses, como, por exemplo, o Cartão Servidor. A defasagem dos convênios médicos dos servidores foi outro ponto muito criticado por Lais.

Colunas

Contraponto