Diário do Litoral

Santos, 29 de julho de 2014

Especiais

Cotidiano

01 de janeiro de 2014 às 17h01

Mujica diz que Brasil financiará 80% da construção de novo porto no Uruguai

O projeto, avaliado em US$ 500 milhões, será construído em Rocha, no Uruguai, e o Brasil bancará a maior parte disso por meio do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul

por Estadão Conteúdo

O presidente uruguaio, José Mujica, disse que o Brasil financiará 80% de um novo porto de águas profundas, o que ajudará a neutralizar os esforços da Argentina para controlar a navegação no Atlântico Sul. Ele afirmou em entrevista publicada no jornal Republica na terça-feira que as obras começarão em cerca de um ano.

O projeto, avaliado em US$ 500 milhões, será construído em Rocha, no Uruguai, e o Brasil bancará a maior parte disso por meio do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul. "O Brasil nos deu e nos dará uma grande mão com esse trabalho", comentou Mujica. "O Uruguai não tem a capacidade para financiar isso por si só e depende, por enquanto, de ajuda externa."

O vice-presidente uruguaio, Danilo Astori, forneceu mais detalhes sobre o porto em entrevista à agência de notícias Associated Press. Segundo ele, o Uruguai precisa de outro porto de águas profundas porque os atuais já estão operando com cargas recordes.

José Mujica disse que o Brasil financiará 80% de um novo porto de águas profundas (Foto: Divulgação)

Astori prevê que o projeto transformará a economia do país, libertando a indústria de navegação das políticas protecionistas da Argentina.

Em outubro, o ministro de Economia da Argentina começou a desviar as embarcações que paravam nos portos do Uruguai, a fim de promover os portos argentinos e pressionar o país vizinho a fazer concessões nas negociações sobre um novo acordo de navegação no Mercosul.

Os portos de Buenos Aires e Montevidéu disputam há séculos o domínio dos embarques na região, mas o último decreto elevou os custos em ambos os países. Principal empresa de contêineres em Montevidéu, a Katoen Natie, anunciou 500 demissões em dezembro, enquanto a Câmara de Comércio da Argentina pediu ao ministério a revogação da proibição, dizendo que a medida aumentava os custos e as dificuldades operacionais.

Para ler mais notícias, curta a página do Diário do Litoral no Facebook, siga nosso Twitter ou adicione ao Google+

Comentar agora
imprimir enviar por e-mail

Link  

Enviar e-mail





Leia também:

Papa sublinha necessidade de força, coragem e esperança no novo ano

Presidente chinês diz que seguirá com reformas

México cobrará taxa de 16% na venda de ração para pets

Putin eleva nível de segurança após novo atentado

Ao menos 10 morrem em explosão de ônibus na Rússia

comentários Comentário: (1)

Para poder comentar, você precisa estar logado.

Ou então, clique no botão abaixo para se cadastrar.

Cadastre-se

termos de uso

fernando morais dias em 30 de janeiro de 2014 às 11h58

pt verdadeiro salvador da patria........dos outros

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


Encoberto com chuvas isoladas

16
22
Mínima
Máxima
Colunistas do Diário do Litoral