Diário do Litoral

Santos, 18 de abril de 2014

Cotidiano

12 de novembro de 2012 às 12h00

São Vicente não terá festa de fim de ano

Município corta gastos e veta realização de comemoração de grande público

por Fernanda Haddad

Atualizado em 13 de fevereiro de 2013 às 16h30

A zero hora do dia 1º de janeiro de 2013 deve ser silenciosa e sem cor para algumas cidades da Baixada. Shows e fogos de artifício não farão parte do tradicional cenário festivo que compõe as comemorações de Réveillon. A chegada do novo ano dependerá da criatividade da população para ser animada.

Em São Vicente, o prefeito eleito Luis Claudio Bili (PP) vetou a queima de fogos e shows durante a virada do ano. A festa de Ano-Novo na Cidade não contará com recursos da Administração Municipal. De 2011 para 2012, a Prefeitura desembolsou R$ 500 mil para a comemoração.

Bili também declarou que o festival Agita Verão, que proporcionou à população, gratuitamente, nove shows de grandes nomes da música nacional, entre eles Claudia Leitte, Jeito Moleque e Michel Teló, não será realizado em 2013. O projeto custou para os cofres públicos de São Vicente cerca de R$ 10 milhões.

Tratando-se de história e tradição, no entanto, Bili pretende manter a Encenação da Fundação da Vila de São Vicente, que também é realizada em janeiro. Em menores proporções, o espetáculo deverá ser encenado por artistas da região, diferentemente do que ocorreu em 2012, e nos anos anteriores, durante mandato do atual prefeito Tércio Garcia (PSB).

Prefeitura de São Vicente desembolsou R$500 mil para o show pirotécnico do Reveillon passado (Foto: Divulgação)

O espetáculo que reconta a fundação da primeira vila do Brasil, em janeiro deste ano, foi encenado por artistas famosos como Murilo Rosa, Emanuelle Araújo, Alexandre Slaviero e Matheus Nachtergaele. De acordo com Bili, o evento custou para São Vicente R$ 7 milhões. Em 2013, o futuro prefeito quer investir, no máximo, R$ 1 milhão com a apresentação, “isso se houver recursos dos governos Estadual e Federal. Vai ser uma bela encenação, valorizando nossos (do Município) atores e atrizes”, ressalta.

Bili justifica o corte radical de gastos: “As dívidas do município são assustadoras”. Ele não quis especificar os valores das dívidas as quais se referiu durante a entrevista para o DL, pois participava do primeiro dia de transição de governo, quando seria informado oficialmente sobre a quantia. “Eu posso te passar esses valores dentro de uns cinco ou seis dias”.

O futuro chefe do Executivo também não descarta o corte de verba para a realização do desfile das escolas de samba durante o Carnaval. Ele afirma que vai discutir com os representantes das ligas para definir como será o evento.

Para Bili, as escolas não ensaiam o suficiente e não têm estrutura para receber a quantia que a Prefeitura dá para a realização do espetáculo. Ele diz que as escolas de samba recebem R$ 120 mil e, ao todo, são gastos R$ 2 milhões pela Administração Municipal.

“A política do pão e circo acabou em São Vicente”, diz o futuro prefeito, que pretende rever todos os contratos de tradicionais festas da Cidade. “O povo vai ter que fazer a sua festa (de ano novo). O Município não pode gastar R$ 500 mil em fogos de artifício e shows, nos primeiros minutos de 2013, com as dívidas que têm”, ressalta.

Outras cidades

O Diário do Litoral tentou obter informações sobre como será a realização das festas de Revéillon em outras cidades da Baixada. Guarujá e Praia Grande, por meio de suas assessorias de imprensa, informaram que ainda não têm nada programado. Santos também ainda não tem a programação fechada, “mas deverá seguir os mesmos moldes dos anos anteriores. Queima de fogos nas balsas e bailes nas cinco Tendas de Verão”, segundo nota enviada pelo setor de comunicação.

Para ler mais notícias, curta a página do Diário do Litoral no Facebook, siga nosso Twitter ou adicione ao Google+

Comentar agora
imprimir enviar por e-mail

Link  

Enviar e-mail





comentários Comentários: (8)

Para poder comentar, você precisa estar logado.

Ou então, clique no botão abaixo para se cadastrar.

Cadastre-se

termos de uso

Tania Regina em 30 de dezembro de 2012 às 00h33

Boa noite.
Sou moradora desta cidade, independente dos assuntos financeiros da prefeitura (dívidas) não sou a favor deste corte de gastos, pois todos os anos anteriores teve esse tipo de crise. Nossa cidade é turistíca, muitas pessoas de outras regiões vem para a cidade assistir a queima de fogos. Gostaria que as autoridades repensassem sobre isso.(os impostos de nossa cidade são autíssimos...para onde estão indo!)Grata.

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


daniela em 29 de dezembro de 2012 às 21h05

Pow primeira cidade do brasil e não vai ter fogos ;show que isso bili tenho 12 anos e estou com muita raiva que isso em me responde pref BILI

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


Mauricio De Jesus Silva em 29 de dezembro de 2012 às 20h51

Isso é uma covardia e ainda se diz cidade turistica...que divertimento os Vicentinos e os Turistas vão ter aqui...acho que o Senhor Bili tem que mexer onde que estão fazendo falcatrua e NÃO nos divertimentos do POVO que o ELEGEU...cuidado pq o que aconteceu com a familia do Marcio França nesse ano pode acontecer com você daqui a quatro anos...

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


irene s simões em 24 de dezembro de 2012 às 17h48

eu moro em são vicente a 58 anos ;em 1997 mudei para cosmopolis interior de são paulo ,descontente com a cidade que não saia do mesmimo
em 2000 voltei a morar e ter orgulho da cidade mesmo com a politica atravessada
são vicente se tornou uma cidade turistica,alegre que começou a dar qualidade de vida aos idosos e atrair mais lojas ,mas empregos

AGORA ENTRA BILLY um retrogrado que so vai dar emprego a quem for crente ,so vai ter evento de crente,toda manifestação de outra religião sera proibida ,todas as festas que atraiam turistas tambem vão acabar os turistas ~vão sumir a renda do municipio vai cair e ele vai continuar cortando gastos no turimo,ensino,saúde e tudo que não for de crente vai acabar com a exposição que a cidade tinha na midia ate apagar ela do mapa

ISSO É PARA O POVO APRENDER A VOTAR E NÃO COLOCAR UM RETROGRADO NO PODER

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:

daniela em 29 de dezembro de 2012 às 21h07

CONCORDO COM ELLA QUE ISSO POVO

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:



ROSANA SANTOS em 04 de dezembro de 2012 às 11h52

Nossa isso e um absurdo,faz uns 10 anos que passo toda virada de ano em são vicente alugo imovél com valor caro reuno a família e vou ver a queima de fogos se soubesse disso não tinha alugado nada ai embaixo e um descaso com os turistas, que feio pra são vicente mas nem queima de fogos que horror vai ser o ultimo ano aff

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


lourenço rodrigues fonseca em 12 de novembro de 2012 às 10h12

certissimo parece que e a atitude mais acertada envista dos desmandos praticados pelos governantes atuais

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


Victor Netto em 12 de novembro de 2012 às 02h32

Simplesmente lamentável... Mais um motivo para eu não passar o Reveillon aqui!

A responsabilidade desse comentário é do autor e não representa a opinião do Diário do Litoral.

COMPARTILHAR:


Ver todos os comentários e respostas

Variação de nebulosidade

22
29
Mínima
Máxima
Colunistas do Diário do Litoral