Diário do Litoral

Santos, 31 de agosto de 2014

Especiais

Política

30 de agosto de 2013 às 22h37

Barbosa recebe prêmio e evita comentar pedido de aumento de salário

O chefe do Judiciário encaminhou na última quinta-feira (29), à Câmara projeto de lei que aumenta o salário dos ministro do Supremo de R$ 28.059,29 para R$ 30.658,42

por Estadão Conteúdo

Bem-humorado na tarde desta sexta-feira, 30, depois de receber o Prêmio José Alencar de Ética da Associação Comercial do Rio de Janeiro, na categoria gestão pública, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, não quis explicar as razões que o levaram a pedir aumento salarial para os ministros da mais alta corte do País. Em vez disso, preferiu contar uma história sobre a remuneração milionária de seus pares em Cingapura.

Barbosa disse que, há três anos e meio, esteve em um congresso sobre cortes constitucionais em Heidelberg, na Alemanha, onde ouviu de um advogado do país asiático - um dos mais ricos e de regime mais fechado do mundo - que os juízes da mais alta corte de Cingapura ganham US$ 1,5 milhão por ano (R$ 3,4 milhões). Juízes de vários países presentes ao encontro, segundo o ministro, riram e duvidaram a resposta. O ministro contou que, no início do ano, recebeu a visita do ministro da Justiça de Cingapura, K. Shanmugan, e aproveitou para tirar a dúvida sobre o salário dos mais altos magistrados.

"Perguntei para ele (o ministro da Justiça): `É verdade que um juiz da Corte Suprema de Cingapura ganha US$ 1,5 milhão?'. A resposta dele: `Não, é bem mais. O presidente (da Corte Suprema) ganha US$ 2 milhões, os ministros ganham US$ 1,5 milhão'", relatou Joaquim Barbosa aos jornalistas. "Fiquem com essa história. Ela é verdadeira", encerrou.

"Isso é ético?", perguntou um repórter a Barbosa. O presidente do STF respondeu: "Não estou dizendo que nós aqui no Brasil devamos ganhar US$ 1,5 milhão. Só contei uma história, que é verdadeira". O ministrou confundiu-se quanto à data do encontro com o ministro de Cingapura: disse que aconteceu em janeiro deste ano, mas foi no dia 5 de abril. O encontro foi noticiado no site do Supremo na internet.

O chefe do Judiciário encaminhou na última quinta-feira, 29, à Câmara projeto de lei que aumenta o salário dos ministro do Supremo de R$ 28.059,29 para R$ 30.658,42. A justificativa foi de que era necessário compensar as perdas sofridas com a inflação. O pleito de Joaquim Barbosa é um reajuste de 4,06% sobre o salário que vai vigorar a partir de janeiro de 2014, de R$ 29.462,25. No fim do ano passado, o Congresso aprovou aumento de 15,8% para os ministros do STF, escalonado em três anos.

Joaquim Barbosa evitou comentar pedido de aumento de salário (Foto: Divulgação)

Nesta sexta-feira, porém, o presidente do STF não quis falar no assunto. Depois de comentar a não cassação do mandato do deputado Natan Donadon (sem partido - RO), Barbosa argumentou que já tinha respondido a muitas perguntas e evitou o tema do aumento salarial. "Sobre salário, eu não queria falar não". Em seguida, perguntou ao assessor de imprensa, Wellington Geraldo Silva: "Posso contar a história da Alemanha?" Começou, então, a falar sobre os salários astronômicos dos integrantes da Suprema Corte de Cingapura.

Barbosa concedeu a rápida entrevista no auditório da Associação Comercial, depois do almoço com os empresários que o homenagearam. Ao deixar o prédio, no caminho até o carro oficial, o relator do processo do mensalão posou para fotos e deu autógrafos, o que tem acontecido com frequência desde o início do julgamento no Supremo, em agosto do ano passado e condenou 25 réus, entre eles o ex-ministro José Dirceu, os deputados do PT de São Paulo José Genoino e João Paulo Cunha e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares.

Para o cientista político Ricardo Ismael, professor da PUC-Rio, Joaquim Barbosa foi retórico ao citar o salários dos magistrados do tigre asiático e justificar o pedido de reajuste. "Não acho que o reajuste que Joaquim Barbosa propôs seja abusivo. Cerca de R$ 30 mil é um salário justo para a responsabilidade do cargo. Agora, a comparação não é cabível, porque as realidades (do Brasil e de Cingapura) são muito distintas. (A comparação) foi retórica para embasar seu pedido (de reajuste), mas é absolutamente dispensável", concluiu.

Para ler mais notícias, curta a página do Diário do Litoral no Facebook, siga nosso Twitter ou adicione ao Google+

Comentar agora
imprimir enviar por e-mail

Link  

Enviar e-mail





Leia também:

Haddad diz que publicará obras embargadas na internet

Joaquim Barbosa lamenta rejeição de cassação de Donadon

Dilma participa de cúpula da Unasul e se reúne com Morales

PT nega ter se omitido sobre cassação de Donadon

Para Dilma, Bolsa Família muda vida das pessoas

comentários Comentários

Para poder comentar, você precisa estar logado.

Ou então, clique no botão abaixo para se cadastrar.

Cadastre-se

termos de uso

Pancadas de chuva a tarde

16
26
Mínima
Máxima
Colunistas do Diário do Litoral