Diário do Litoral
Santos, 27 de novembro de 2014 13:44
Especiais

Cotidiano

21 de junho de 2013 às 17h45

Emprego com carteira assinada cresce menos

A desaceleração de crescimento não era verificada desde 2009, ano da crise financeira internacional, quando foram verificados os números mais baixos

por Agência Brasil

A geração de postos de trabalho com carteira assinada teve o segundo mês consecutivo de baixo crescimento – 0,18% em maio, em comparação a abril, quando foi registrado aumento de 0,49%, em relação ao mês anterior. Os números divulgados hoje (21) são Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego. O saldo de pouco mais de 72 mil postos criados é resultado de cerca de 1,8 milhão contratados menos 1,7 milhão demitidos.

De acordo com o Caged, o setor que registrou o pior desempenho foi o da construção civil, com o fechamento de mais de 1,8 mil postos. A agropecuária, os serviços e a indústria foram os setores com os melhores resultados – abertura de 33,8 mil, 21,1 mil e 15,7 mil postos, respectivamente.

Na agropecuária, os destaques foram para a produção de café, de cana-de-açúcar e de laranja. Nos serviços, para os relacionados a transportes, comunicações, serviços médicos e odontológicos; administração de imóveis e instituições financeiras. Na área da indústria, as áreas com melhor desempenho foram as de produtos alimentícios, químicos, material de transporte; têxtil, elétrico e de comunicação.

A geração de postos de trabalho com carteira assinada teve o segundo mês consecutivo de baixo crescimento (Foto: Divulgação)

Os estados com os melhores resultados foram Minas Gerais (com o saldo positivo de 25,9 mil empregos formais), São Paulo (22,4 mil) e Paraná (9,7 mil). Os piores foram Alagoas (com saldo negativo de 3,4 mil postos de trabalho), Pernambuco (-2,4 mil) e Rio Grande do Sul (-2,1 mil).

A desaceleração de crescimento não era verificada desde 2009, ano da crise financeira internacional, quando foram verificados os números mais baixos para o mês de maio: pouco mais de 131 mil postos de trabalho formal. Em 2009, houve recuperação e foi registrada a geração de mais de 298 mil empregos com carteira assinada. A partir de então, os saldos passaram a ter queda, 252 mil em 2011; 139 mil em 2012; culminando nos 72 mil em 2013.

Para ler mais notícias, curta a página do Diário do Litoral no Facebook, siga nosso Twitter ou adicione ao Google+

Comentar agora
imprimir enviar por e-mail

Link  

Enviar e-mail





Leia também:

Manifestações no Brasil surpreenderam a Fifa, diz porta-voz

Em Brasília, servidores se assustam com depredação de patrimônio público

Polícia Federal faz perícia no Itamaraty

Novas manifestações levam mais de 1 milhão às ruas

Dilma convoca reunião de emergência com ministros

comentários Comentários

Para poder comentar, você precisa estar logado.

Ou então, clique no botão abaixo para se cadastrar.

Cadastre-se

termos de uso



Assinatura DL - Cortesia