Entrada da Cidade

Pantera Negra, da tribo ao gueto, uma ode à diversidade da cultura afro

Diretor Ryan Coogler se inspirou em ‘Cidade de Deus’ para criar vilão interpretado por Michael B. Jordan

Comentar
Compartilhar
16 FEV 2018Por Bárbara Farias13h30
Diretor Ryan Coogler se inspirou em ‘Cidade de Deus’ para criar vilão interpretado por Michael B. JordanFoto: Divulgação

Um reino distante tecnologicamente avançado cujo povo mantém seus costumes tribais, disputa de poder entre entes do mesmo sangue, batalha como nos tempos medievais e transportes voadores. Mais uma história “Star Wars”? Não, desta vez o cenário de aventura, ficção científica e fantasia é de “Pantera Negra”, o novo longa-metragem do universo Marvel, que também retrata a periferia de uma cidade dos Estados Unidos, habitada pela comunidade negra. “Pantera Negra” ultrapassa a fronteira de ser mais um filme solo de herói. Com uma história forte e dinâmica, mesclando fantasia, gueto e roubo de artefato valioso de um museu, o filme é uma ode à diversidade cultural que se originou nas matrizes africanas. O Cinema DL foi conferir a pré-estreia desta grande produção cujo roteiro foi inspirado até em “Cidade de Deus”, na madrugada de quinta-feira (15), no Cine Roxy 5, em Santos.  

O novo filme da Marvel conta a origem do personagem Pantera Negra, o príncipe T’Challa (Chadwick Boseman), que se tornou rei de Wakanda, após a morte de seu pai, o Rei T’Chaka (John Kani). T’Challa enfrenta vilões diferentes para manter o seu reino incorrupto e sua própria coroa.

Um destaque no filme é que uma mulher ocupa o maior posto de defesa do reino, a general Okoye, vivida pela atriz Danai Gurira. além de brava guerreira, a personagem é a principal aliada do rei. 

Dirigido por Ryan Coogler, o longa-metragem é um misto de épico e ação, que prende a atenção do início ao fim, com fotografia em tons de ocre que nos transporta ao ambiente do continente africano, onde está situado o fictício país Wakanda, ao mesmo tempo em que nos leva à periferia fria de uma cidade norte-americana e ao submundo de uma cidade da Coreia do Sul - um noturno chuvoso que nos remete a “Blade Runner”, com ar de “007”. Ou seja, “Pantera Negra” é um filme de surpresas, onde cada cenário diverso e personagens se encaixam num roteiro cuidadosamente elaborado, que valoriza especialmente a diversidade da cultura afro, da tribal a urbana, com uma trilha sonora também variada, adequada a cada ambiente do filme.

Com um diretor negro, Ryan Coogler (“Creed”), “Pantera Negra” reúne um elenco quase que totalmente constituído de atrizes e atores negros. Entre eles os vencedores do Oscar, Forest Whitaker (Melhor Ator por “O Último Rei da Escócia”), Lupita Nyong’o (Melhor Atriz Coadjuvante por “12 Anos de Escravidão), com destaque para a atriz e cantora Angela Bassett e Michael B. Jordan (“Creed”). Há apenas dois atores brancos no elenco, Andy Serkis (“O Senhor dos Anéis e Planeta dos Macados”), que interpreta o vilão Ulysses Klaue, e Martin Freeman, no papel do agente da CIA, Everett Ross.

A aparição de Stan Lee
Criador do Pantera Negra e um dos roteiristas, Stan Lee faz sua tradicional aparição no filme. Mas, deixo para você descobrir em qual cena ele aparece na trama, ok?

"Pantera Negra" estreou nesta quinta-feira (15). Vá ao cinema e deleite-se com mais essa produção do universo Marvel.

Curiosidades

Fase 3 do universo Marvel
Pantera Negra é o 18º filme da Marvel Studios para o universo cinematográfico da Marvel. É distribuído pela Disney/Buena Vista

Wakanda e Wakamba
O nome Wakanda foi inspirado de uma tribo do Kênia chamada Wakamba, mas que também é conhecida como Kamba.

Artes marciais africanas
As lutas foram baseadas nas artes marciais africanas. Além disso, as cenas de ação dos filmes “Creed: Nascido para Lutar” e “Kingsman” também serviram de inspiração.

Em time que está ganhando...
Ryan Coogler trouxe colaboradores de seus filmes anteriores para colocar seu próprio estilo no filme e diferenciá-lo das outras produções da Marvel. Entre eles, Rachel Morrison (diretora de fotografia), Hannah Beachler (designer de produção) e Ludwig Göransson (compositor). “Tá” explicado porque o filme é “diferentão”!

John Boyega como T’Challa
John Boyega foi cogitado para o papel de T’Challa. Djimon Hounsou também foi considerado para o papel.

Um quê de “Star Wars”
O diretor Ryan Coogler descreveu “Zuri” (Forest Whitaker) como um Wakandan Obi-Wan Kenobi.

Inspirado em “Cidade de Deus”
O diretor Ryan Coogler, que também é um dos roteiristas do filme, se inspirou no longa brasileiro “Cidade de Deus” para criar o vilão Erik Killmonger, interpretado por Michael B. Jordan. 

Referências em “O Poderoso Chefão” e “007”
Os filmes das franquias “O Poderoso Chefão” e 007 foram referências para a história.

Parceria Coogler e Jordan
Ryan Coogler e Michael B. Jordan já trabalharam juntos em “Fruitvale Station: A Última Parada” (2013) e “Creed: Nascido para Lutar” (2015).

Juntos, de novo
Andy Serkis e Martin Freeman se encontram após “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada” (2012).

Tribos
Houve uma preocupação com os detalhes para a produção do filme. Além do sotaque, outros elementos reforçam a criação de uma cultura única para cada uma das tribos Wakandan, mostrando que o país tem uma mistura de diferentes tribos.

Colunas

Contraponto