Santos

'Não espero resultados', diz Del Toro, sobre Oscar

‘A Forma da Água’, do diretor mexicano, lidera as indicações ao Oscar e concorre a 13 estatuetas, incluindo as de melhor filme e diretor

Comentar
Compartilhar
23 JAN 2018Por Folhapress13h52
Guilhermo del Toro pode se tornar o terceiro diretor mexicano a ganhar um OscarFoto: Divulgação

GUILHERME GENESTRETI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Repetindo o que havia feito no Globo de Ouro, a fantasia "A Forma da Água", do mexicano Guillermo del Toro, dominou as indicações ao Oscar e está no páreo por 13 estatuetas, incluindo as de melhor filme e diretor.

O anúncio foi feito na manhã desta terça (23), em Los Angeles. A cerimônia acontecerá no dia 4 de março.

Ambientado na Guerra Fria, o longa fantástico narra o romance entre uma faxineira muda e um monstro aquático mantido num laboratório secreto americano. O longa, que venceu o prêmio do sindicato dos produtores, estreia em 1º de fevereiro no Brasil.

Na última terça (16), Del Toro falou à reportagem sobre suas expectativas para a premiação -ou a falta delas. "Se eu ganhar, estarei comovido. Mas sei que é imprevisível. O natural, o maduro é ir com vontade de estar lá, mas sem esperar resultados", disse.

Os principais concorrentes ao filme são "Dunkirk", de Christopher Nolan, e "Três Anúncios para um Crime", de Martin McDonagh.

O longa de guerra do britânico Nolan faturou oito indicações, principalmente técnicas -direção de arte, direção de fotografia, mixagem de som, edição de som, montagem, trilha sonora-, mas também disputa como melhor filme e melhor diretor.

Obra ainda mais radical que a de Del Toro, o longa de McDonagh envolve uma trama de vingança ambientada nos rincões dos Estados Unidos.

Grande vencedor do último Globo de Ouro, a produção disputa estatuetas em seis categorias, incluindo filme, atriz (Frances McDormand, a favorita) e dois nomes em ator coadjuvante: Woody Harrelson e Sam Rockwell.

Duas produções foram grande surpresa, "A Trama Fantasma", de Paul Thomas Anderson, e "O Destino de uma Nação", de Joe Wright. Ambos eram cotados para melhor ator -Daniel Day Lewis e Gary Oldman, respectivamente-, mas surpreenderam ao figurar na categoria de melhor filme.

Completam a lista de nove melhores longas "The Post", "Me Chame pelo Seu Nome", "Corra!" e "Lady Bird", que já eram títulos esperados nessa categoria.

O segundo deles, que concorre a quatro estatuetas, tem produção do brasileiro Rodrigo Teixeira. O país também está representado na categoria de melhor animação, com "O Touro Ferdinando", filme americano dirigido pelo carioca Carlos Saldanha.

Entre os indicados a melhor direção aparecem Greta Gerwig, de "Lady Bird", e Jordan Peele, de "Corra!". Gerwig é a única mulher na categoria; e Peele, o único negro. Ambos haviam sido ignorados pelo Globo de Ouro.

O Oscar também tem sua cota de "esnobadas". Entre as mais notáveis estão a de James Franco, que ganhou o Globo de Ouro de ator de comédia por "O Artista do Desastre", e a de Tom Hanks, que concorreu como ator dramático por "The Post". Franco tem enfrentado acusações de assédio sexual.

A Netflix também está entre as ignoradas da edição. Embora seu "Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi" dispute quatro estatuetas, incluindo atriz coadjuvante (Mary J. Blige), não aparece na lista de melhor filme. O filme de Dee Rees era a grande aposta do serviço de streaming para o prêmio.

Nesta edição, além de colocar uma mulher na categoria de direção (o que não ocorria desde 2009), o Oscar também tem indicados negros em algumas das principais categorias: diretor (Peele), ator (Daniel Kaluuya, por "Corra!", e Denzel Washington, por "Roman J. Israel, Esq."), atriz coadjuvante (Octavia Spencer, por "A Forma da Água", e Mary J. Blige).

Colunas

Contraponto