La La Land – Cantando Estações traz de volta a era de ouro dos musicais

É um romance, um drama, uma comédia romântica, um musical moderno e ao mesmo tempo clássico. É tudo isso junto. Uma produção apaixonante. Um poema lírico e um filme lúdico

Comentar
Compartilhar
20 JAN 2017Por Bárbara Farias14h48
“La La Land – Cantando Estações” ganhou sete prêmios no Globo de Ouro e é favorito ao OscarFoto: Divulgação

“La La Land – Cantando Estações” é um romance, um drama, uma comédia romântica, um musical moderno e ao mesmo tempo clássico. É tudo isso junto. Uma produção apaixonante. Um poema lírico e um filme lúdico. Uma homenagem aos grandes musicais de todos os tempos, à Los Angeles - a cidade das estrelas e dos sonhos – e especialmente ao jazz.

O Cinema DL conferiu a estreia do filme na última quinta-feira (19), a convite do Cine Roxy, que em parceria com o Shopping Pátio Iporanga, promoveu um evento especial para promover o longa. A partir das 21h15, dançarinos da escola Aerodança se apresentaram para o público presente dançando ao som das canções de "La La Land - Cantando Estações". Logo após a apresentação que encantou a todos, às 21h45, o público seguiu para a sessão do filme. Veja o vídeo.   

Como não amar, “La La Land-Cantando Estações”? Ryan Gosling e Emma Stone são a escolha perfeita para o casal de protagonistas do filme. Ele interpreta o pianista Sebastian, e ela, a atriz Mia, que buscam o sucesso em Los Angeles aonde se encontram e se apaixonam. Através dos encontros e desencontros do casal, e de suas tentativas frustradas na busca por um lugar ao sol, passeamos pelas avenidas, ruas, bares e estúdios de cinema de Los Angeles, enquanto as estações do ano passam.

Escrito e dirigido por Damien Chazelle (Whiplash - 2014), de apenas 31 anos, o filme se revela aos poucos e nos conquista a cada cena. Embora o começo seja chatinho, a trama se desenvolve de forma imprevisível e surpreendente. Chazelle apresenta um filme leve que desperta no espectador a empatia pelos protagonistas e um sentimento de nostalgia com as referências aos grandes musicais tanto nas coreografias quanto na fotografia e figurino. Além dos planos-sequência geniais nos números musicais.

Há ainda uma belíssima referência ao clássico Casablanca, Ingrid Bergman e Humphrey Bogart, talvez o prenúncio de algo mais adiante. Well, vejam o filme...  

Falando em fotografia, as cores são uma linguagem importante na trama, muito colorido e alegorias nas cenas alegres e penumbra nos momentos tristes, além do foco de luz sobre as personagens levando o espectador a imergir nas memórias e sentimentos mais profundos delas enquanto ficam alheias à realidade a sua volta.

A trilha sonora composta por Justin Hurwitz e a canção original “City of Stars” são magníficas e dão todo o charme à trama. Embalados pela trilha, nos entregamos a um mundo de sonho, fantasia, nostalgia e amor.

A participação, embora pequena, do músico John Legend, dá um toque especial ao filme.

“La La Land” foi inspirado em clássicos como “Cantando na Chuva” (1952), “O Picolino” (1935), “Sinfonia de Paris” (1951), “Os Guarda-Chuvas do Amor” (1964), “Ritmo Louco” (1936), “A Roda da Fortuna” (1953), “The Young Girls of Rochefort” (1967) e “Oito e Meio” (1963).

Além disso, o longa-metragem foi filmado no mesmo estúdio em que clássicos da MGM como “Cantando na Chuva” (1952) e “O Mágico de Oz” (1939) foram gravados. Ou seja, “La La Land” foi produzido em solo fértil do “Bosque Sagrado” - Hollywood em inglês -, e está predestinado ao sucesso absoluto.

Primeira aparição

“La La Land” foi apresentado primeiramente no Festival de Cinema de Veneza em 31 de agosto de 2016.

Recordista no Globo de Ouro

“La La Land – Cantando Estações” é recordista no Globo de Ouro, pois ganhou todos os sete prêmios a que concorreu: melhor filme de comédia ou musical, direção (Damien Chazelle), roteiro (Damien Chazelle), atriz (Emma Stone), ator (Ryan Gosling), canção original (“City of Stars”) e trilha sonora (Justin Hurwitz). 

Favorito ao Oscar

“La La Land” é favorito ao Oscar de melhor filme seja pela produção irretocável seja pela homenagem à Los Angeles, aos estúdios, aos atores e atrizes que fizeram história, especialmente aos musicais.

Os indicados da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas só serão anunciados no próximo dia 24 de janeiro. Que venham mais sete indicações e prêmios no dia 26 de fevereiro, data da cerimônia de entrega do Oscar.

Em suma, “La La Land – Cantando Estações” é um filme encantador, perfeito, delicado, romântico. Distribuído pela Paris Filmes, o filme está em cartaz nos cinemas. Assistam!!!

Colunas

Contraponto