Pref 13 e 14

Filme sobre Martins Fontes será lançado dia 23 na Beneficência Portuguesa

Curta-metragem é dirigido pelo santista Carlos Oliveira. Lançamento celebra aniversário do médico e poeta santista

Comentar
Compartilhar
14 JUN 2017Por Da Reportagem16h58
“Como é Bom Ser Bom” acompanha um episódio da vida do médico e poeta santista José Martins FontesFoto: Divulgação

“Como é Bom Ser Bom” acompanha um episódio da vida do médico e poeta santista José Martins Fontes (Santos, 23 de junho de 1884 - Santos, 25 de junho de 1937). O filme, dirigido pelo cineasta santista Carlos Oliveira (do documentário “Os Canais de Saturnino”), será lançado em 23 de junho, dia do aniversário de Martins Fontes, uma sexta-feira, às 19h, no Salão Nobre da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos. A entrada é mediante a entrega de um quilo de alimento não perecível, produto de limpeza, cordas de violão ou violão usado. O evento é beneficente em prol da Associação Esculpir.

Martins Fontes considerava o Hospital Santo Antonio, da Beneficência Portuguesa, sua segunda casa, onde ele trabalhou como médico e também veio a falecer. Daí a opção do diretor por lançar seu trabalho no espaço.

O evento faz parte da programação da 11ª Semana Martins Fontes (de 17 a 23 de junho), incluída no Calendário Oficial de Santos e realizada pela Academia Santista de Letras em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura.

Haverá distribuição de pipoca e guaraná após a exibição do filme.

Filme

O roteiro do filme, escrito pelo ator Osvaldo Araújo e o cinesta, é baseado em uma história real em que a personagem Dona Nízia (nome fictício), mãe de quatro filhos órfãos de pai, não tinha recursos para pagar o tratamento de uma grave doença. Em seu consultório particular, o Dr. Martins Fontes praticava a verdadeira filantropia, tratando de pessoas de baixo ou parco poder aquisitivo, não cobrando as consultas. Dona Nízia fazia e vendia queijadinhas para sobreviver, e só conseguia “pagar” o seu tratamento médico oferecendo queijadinhas a Martins Fontes. Esta história foi contada a Osvaldo Araújo por seu amigo Durval Siqueira, que, quando era adolescente, trabalhava ao lado do consultório de Martins Fontes e também foi personagem da história.

No filme, um avô (Osvaldo Araújo), passeando de bicicleta pela cidade com seu neto de doze anos (Enzo Gasparin), conta para ele a história de Dona Nízia (Ana Maria Souza) e o médico Martins Fontes (Vanderlei Abrelli). O filme ainda conta com a participação do ator Gilberto Coelho e também do ator adolescente Adauto Luiz, que já participou da novela “Carrossel” e da minissérie “Desencontros”, além de outros trabalhos para TV, cinema e campanhas publicitárias.

O curta-metragem, de aproximadamente 20 minutos de duração, é uma produção independente, cujo projeto foi contemplado pelo 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos, com recursos do Fundo de Assistência à Cultura – FACULT em 2016. Para a viabilização do projeto, o diretor Carlos Oliveira contou com a parceria de vários profissionais das artes e do audiovisual, além do apoio cultural de diversas organizações, entre elas: Sabesp, Unimonte, Beneficência Portuguesa de Santos, Sociedade Humanitária, Clube do Choro de Santos, Fórum da Cidadania de Santos, Monte Serrat, Castelinho Fantasias, Instituto Histórico e Geográfico de Santos e Fundação Arquivo e Memória de Santos. A produção teve a participação de 60 pessoas, incluindo elenco e equipe técnica, além de vários colaboradores, e contou com a facilitação da Santos Film Commission. Como a maior parte das cenas do filme foi ambientada na década de 1930, a equipe esmerou-se na pesquisa histórica, direção e produção de arte. Algumas ruas do Centro Histórico de Santos foram utilizadas como locações.

Elenco e equipe técnica do filme (Divulgação)

Martins Fontes

Como médico, Martins Fontes notabilizou-se como conferencista e foi tisiologista (especializado em tuberculose) da Santa Casa de Misericórdia de Santos e destacado humanista. Durante a epidemia de gripe de 1918, tornou-se um dos beneméritos da cidade, desdobrando-se para socorrer os bairros do Macuco e Campo Grande.

Sua obra literária é volumosa, chegando a mais de setenta títulos publicados, em poesia e prosa, além de algumas de caráter científico. É patrono da cadeira nº 26 da Academia Paulista de Letras e da cadeira de número 17 do Instituto Histórico e Geográfico de Santos.

José Martins Fontes escreveu nas páginas da história de Santos, do Brasil e do mundo a fora, as mais belas letras e deixou os mais notáveis exemplos como profissional dedicado à medicina e como ser humano que amou e respeitou o próximo como a si mesmo. O nome do filme (Como é bom ser bom) é o mesmo do poema mais conhecido de Martins Fontes, e também foi considerado o lema de vida deste poeta.

No elenco principal, os atores Vanderlei Abrelli, Ana Maria Souza, Osvaldo Araújo e Enzo Gasparin. Já o elenco coadjuvante é formado pelos atores Adauto Luiz, Gilberto Coelho, Fabiano Santos, Tassio Ricardo, Júnior Silva, Agatha Cláudia, Leonardo Sales, Marcela Rocha, Cristina Matos e Antonio Martins.

Na figuração, Arnaldo Nascimento, Simone Santos, Celso Lima, Catharina Tornatore, Filipe Santos Lima, Juh Ferraz, Ricardo Vilas-Boas, Claudia London, Vlad Martires, Nathália Marcelo, Antonio Geraldo Brito, Regina Santos, Marcelo Rayel, Duda Benites, Lu Pergolizzi, Edgar Siqueira, Emílio Baraçal, Angel Viana, Janaína Paiva, Gabriel Souza Santos, Karine Fernandez, Amanda Alves, Jussara Giorgi, Silvia Moura, Renata Lopes Ramani, Ronaldo Lage, Simone Fernandes, Lucas Oliveira, Beatriz Santos, Valentim Vitor.

Participação especial de Dona Edith Pires Gonçalves Dias

Equipe Técnica:

Roteiro: Osvaldo Araújo e Carlos Oliveira

Produção: Carlos Oliveira, Juh Ferraz e Madeleine Alves

Direção de Fotografia: Flávia Ventura, Cristiano Nascimento e Edgar Siqueira

Trilha Sonora Original: Theo Cancello

Direção de Arte: Madeleine Alves

Assistentes de Arte: Catharina Tornatore, Edgar Siqueira e Luciana Moran

Visagismo: Tiago Cardoso, Camilo de Oliveira e Rose Magalhães

Camareira: Cristina Matos

Assistentes de Set: Claudia London e Fabiano Santos

Som Direto: Tarsila Rossi

Assistentes de Som: Vlad Martires e Amanda Soares

Eletricista: Filipe Santos Lima

Professora de Dança de Salão: Késia Farias

Preparadores de Elenco Infantil: Simone Santos e Celso Lima

Fotografia Still e Making Of: Gabriel Kennusar Cicchelli

Participações Musicais: Choro & Afins, Pra Que Chorar e Daniel Ribeiro

Assistente de Direção: Brenda Albertí

Continuidade: Madeleine Alves

Montagem: Carlos Oliveira e Edgar Siqueira

Direção: Carlos Oliveira

Apoio: Prefeitura Municipal De Santos - Secretaria Municipal de Cultura - Programa de Apoio Cultural - FACULT 2015.

Apoio Cultural:

Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos

Sociedade Humanitária dos Empregados no Comércio

Unimonte

Sabesp

Monte Serrat

Acervo Histórico Farmacêutico Ricardo Villas-Boas

Maria Tornatore

Castelinho Fantasias

Instituto Histórico e Geográfico de Santos

Fundação Arquivo e Memória de Santos

Fórum da Cidadania de Santos

Clube do Choro de Santos

Sobre a entidade a ser beneficiada:

Associação Esculpir foi criada com o intuito de minimizar os problemas sociais existentes na região central da cidade, no entorno do Mercado Municipal, mais precisamente no Bairro Vila Nova, em Santos, oferecendo um espaço para que crianças e adolescentes possam desenvolver atividades lúdicas, recreativas e socioculturais.

Público-alvo da entidade: Crianças e adolescentes, de 06 anos a 14 anos (podendo se estender até 16 anos), moradoras dos bairros: Vila Nova, Paquetá, Centro e Vila Matias, situados no entorno do Mercado Municipal de Santos, que vivem em situações precárias e de risco social, e que frequentam as escolas públicas da região.

Serviço:

Evento: Lançamento do filme de curta metragem “Como é bom ser bom”

Local: Salão Nobre da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos.

Endereço: Avenida Dr. Bernardino de Campos, 47 - Vila Belmiro - Santos/SP.

Horário: das 19h às 22h

Lotação do salão: 100 pessoas. Haverá duas sessões, caso necessário.

Entrada: mediante a entrega de um alimento não perecível, produto de limpeza, cordas de violão ou violão usado. Evento Beneficente em prol da Associação Esculpir (Rua Sete de Setembro, 104 - Vila Nova - Santos).

Faixa Etária: Todas as idades.

Organização: Equipe de produção do filme "Como é bom ser bom" e Diretoria da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos.

Colunas

Contraponto