23h : 09min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

São Paulo encerra campanha de vacinação com 62 mortes por gripe este ano

Os casos classificados como de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) chegaram a 367, conforme levantamento da Secretaria da Saúde do Estado

Comentar
Compartilhar
10 JUN 2017Por Estadão Conteúdo11h02
A campanha de vacinação contra a gripe foi encerrada nesta sexta-feira, 9Foto: Agência Brasil

A campanha de vacinação contra a gripe foi encerrada nesta sexta-feira, 9, com o registro de 62 mortes pela doença, desde o início do ano, no Estado de São Paulo. Os casos classificados como de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) chegaram a 367, conforme levantamento da Secretaria da Saúde do Estado. Desse total, 245 casos e 36 óbitos - quase 60% - foram relacionados ao vírus A (H3N2), o de maior circulação este ano no Estado.

A doença se manifestou em 97 municípios, incluindo a capital, e em mais de 60% dos casos e óbitos, as pacientes são mulheres. A faixa etária com maior incidência foi acima dos 60 anos, com mais de 40% dos casos. Somente em Taubaté foram registrados dez óbitos este ano, sendo cinco por H3N2 e cinco por influenza B. Houve ainda 40 casos confirmados de pacientes com o vírus.

Em Indaiatuba, a prefeitura confirmou na quinta-feira, 8, a morte de quatro pessoas pela gripe H3N2 - todos os óbitos aconteceram do início de março a 25 de maio. Uma das vítimas, uma mulher de 27 anos, tinha diabetes, enquanto os demais óbitos atingiram pacientes idosos.

A Secretaria da Saúde informou que até esta sexta tinham sido aplicadas 10 milhões de doses de vacina no Estado, em pessoas incluídas nos grupos prioritários e específicos para a campanha deste ano. A Secretaria solicitou 31 milhões de doses extras ao Ministério da Saúde, mas esse volume não estava garantido até o fim da tarde desta sexta-feira. Conforme a pasta, a Divisão de Imunização estadual está analisando o cenário epidemiológico para definir uma estratégia visando à utilização das doses ainda disponíveis em São Paulo.

De acordo com o Ministério da Saúde, existem três tipos de vírus influenza: A, B e C. O vírus influenza C causa apenas infecções respiratórias brandas, sem grande impacto na saúde pública. O vírus A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus A responsável pelas grandes pandemias. Os vírus influenza A são ainda classificados em subtipos conforme sua características, estando circulando atualmente os subtipos A (H3N2), em maior proporção, e A (H1N1). No ano passado, o H1N1 foi responsável pelo maior número de casos graves no Estado.

Colunas

Contraponto