Entrada da Cidade

Perícia vai apontar se morte de folião em SP foi causada por câmeras em poste

Há suspeita de que câmeras instaladas pela GWA System para monitoramento do carnaval possam ter provocado o choque elétrico no jovem

Comentar
Compartilhar
05 FEV 2018Por Agência Brasil20h15

A Polícia Civil investiga uma morte por choque elétrico durante o pré-carnaval de rua de São Paulo, ocorrida nesse domingo (4). De acordo com o Corpo de Bombeiros, Lucas Antônio Lacerda da Silva foi resgatado na Rua Matias Aires, no bairro Consolação, ao lado de um poste semafórico da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e encaminhado para a Santa Casa de São Paulo. O caso foi registrado no 78º Distrito Policial.

Há suspeita de que câmeras instaladas pela GWA System para monitoramento do carnaval possam ter provocado o choque elétrico no jovem. A empresa foi contratada pela Dream Factory, vencedora da concorrência da prefeitura de São Paulo para promover o carnaval na cidade.

A CET destacou, por meio de nota, que as câmeras instaladas no poste “não pertencem à companhia”, que está colaborando com as investigações e que aguarda a conclusão da perícia sobre as causas do acidente.

A Dream Factory apontou que “somente a perícia dos órgãos competentes poderá informar se a causa da morte está ou não associada a instalação das câmeras da GWA System”. Além de lamentar o ocorrido, a empresa informou que está à disposição para colaborar com as investigações.

A prefeitura de São Paulo informou, por meio da assessoria de imprensa, que aguarda o laudo com a causa da morte para se posicionar sobre o assunto.

Procurada pela Agência Brasil, a GWA System ainda não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Balanço

O pré-carnaval de rua de São Paulo reuniu 3,95 milhões de pessoas nas ruas da capital, onde 187 blocos desfilaram. O levantamento leva em consideração os números dos agentes da Guarda Civil Metropolitana, da CET, dos responsáveis pelos blocos e de produtores da comissão do carnaval.

A prefeitura informou ainda que os profissionais de saúde atenderam 982 ocorrências, sendo 900 pelo serviço médico contratado e 82 pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Foram emitidas 100 notificações com base no Decreto 57.983, que prevê multa de R$ 500 para quem urinar nas ruas. De acordo com a prefeitura, 200 câmeras fazem o monitoramento das vias públicas.

Colunas

Contraponto