07h : 41min

Assine o Diário e o Santista por R$8 por mês no plano atual

Nenhuma cidade do Estado recebe nota máxima em avaliação do TCE

Das 644 cidades avaliadas pelo Índice de Efetividade da Gestão Municipal, apenas 74 foram consideradas muito efetivas

Comentar
Compartilhar
13 OUT 2017Por Da Reportagem15h01
Nenhuma cidade do Estado recebe nota máxima em avaliação do TCEFoto: Gazeta de S. Paulo

Apesar de alcançar a primeira colocação entre as 644 cidades avaliadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), Santos não foi a única que apresentou boas notas nos quesitos do Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM) referente ao ano passado.

Os municípios de Quadra (3.526 habitantes) e Torre de Pedra (2.293), na região de Sorocaba, e Macatuba (16.672), perto de Bauru, completam os cinco primeiros lugares do estudo.  As duas primeiras têm receitas totais aproximadas de R$ 17  milhões  e 11 milhões, respectivamente, enquanto a última levantou cerca de R$ 67 milhões no ano passado. Já Santos arrecadou quase R$ 2,5 bilhões em 2016.

Entre as 20 melhores colocadas ainda estão os municípios de Indaiatuba, Vinhedo, Santa Cruz do Rio Pardo, Orlândia, Lucélia, Tietê, Registro, Andradina, Morungaba, Olímpia, São José do Rio Preto, Sales, Praia Grande, Ibirá, Ribeirão Corrente e São José dos Campos. Confira ao lado as notas dos oito municípios melhor avaliados.

O IEGM leva em consideração as políticas e atividades públicas desenvolvidas em sete segmentos: saúde, educação, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, proteção aos cidadãos e governança de tecnologia da informação.

Desde a primeira edição, realizada em 2014, nenhuma localidade do Estado recebeu o conceito A (altamente efetivo). Neste ano, Santos foi a que chegou mais perto dessa marca e ficou com a nota B+ (muito efetivo), mesma avaliação atribuída a outros 74 municípios. Entre as notas possíveis estavam B (efetivo), C+ (em fase de adaptação) e C (baixo nível de adequação).
Santos foi a segunda que mais recebeu notas máximas, atrás de Indaiatuba, melhor avaliada em cinco setores.

Colunas

Contraponto