21h : 09min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Dois advogados são presos na Baixada em operação contra o PCC

Policiais civis apreenderam cartas de presos, computadores e celulares que serão usados nas investigações

Comentar
Compartilhar
22 NOV 2016Por Da Reportagem12h00
Os dois advogados presos na Baixada serão levados do Palácio da Polícia, em Santos, para Presidente Prudente, no interior paulistaFoto: Matheus Tagé/DL

A Operação Ethos, deflagrada com a finalidade de desarticular um grupo de advogados supostamente vinculados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), deteve nesta terça-feira (22) 32 advogados. Duas prisões foram realizadas na Baixada Santista, nas cidades de Santos e São Vicente. 

A Ethos é realizada pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil. Na Baixada, policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos prenderam os advogados em suas respectivas casas e vistoriaram os escritórios de ambos. 

Foram apreendidas cartas de pessoas que estão no sistema prisional, computadores e celulares do advogados. Até o final desta manhã, eles permaneciam na DIG. Eles deverão ser transferidos para Presidente Prudente, no interior paulista. 

Dez municípios

A operação, conduzida pelo Departamento de Polícia Judiciário do Interior-8 (Deinter-8), na região de Presidente Prudente, acontece em ao menos dez municípios no Estado de São Paulo, entre eles, a capital paulista, Cotia e Presidente Prudente. Ao todo, 703 policiais civis e membros do Ministério Publico participam da operação.

Entre os presos está o vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Luiz Carlos dos Santos, em Cotia (Grande SP). Segundo a investigação, Santos teria recebido do PCC cerca de R$ 130 mil para desestabilizar a segurança pública do Estado por meio de "falsas denúncias" perante organismos de proteção dos direitos humanos.

O Condepe é ligado à Secretaria da Justiça e Cidadania do governo Geraldo Alckmin (PSDB). A pasta informou que, apesar de ser ligado à secretaria, o conselho é um órgão independente e tem autonomia. Por isso, não faria nenhum comentário sobre a prisão de Santos.

A investigação teve inicio há um ano e meio e identificou 55 pessoas, das quais 41 estavam em liberdade e contribuíam para a prática criminosa vinculada à organização. Os demais investigados são presos que estão no sistema penitenciário paulista -considerados líderes da facção.

(Com informações da Folhapress)

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar