19h : 32min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Contra reforma da Previdência, ônibus e metrô de SP podem parar nesta quarta

Diversas manifestações de movimentos populares e centrais sindicais estão previstas para o Dia Nacional de Paralisações

Comentar
Compartilhar
14 MAR 2017Por Estadão Conteúdo15h00
Onibus e metrô de SP podem parar nesta quartaFoto: Divulgação

Protestos contra a reforma trabalhista e da Previdência podem paralisar o sistema de transporte público de São Paulo por até 24 horas, nesta quarta-feira, 15. Diversas manifestações de movimentos populares e centrais sindicais estão previstas para o Dia Nacional de Paralisações.

O Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo confirmou a interrupção a partir da 0h desta quarta-feira. A orientação é para motoristas de ônibus da frota municipal não circularem até às 8 horas. Segundo a categoria, aproximadamente 9 milhões de pessoas utilizam os coletivos diariamente na capital paulista.

Já o Sindicato dos Metroviários de São Paulo informou que os serviços devem parar a partir da 0 hora desta quarta-feira. A categoria realiza assembleia, nesta terça-feira, 14, às 18h30, para decidir se haverá a paralisação. No último encontro, em 6 de março, sindicalistas aprovaram a greve de 24 horas contra a reforma da Previdência. "Ou barramos a reforma da Previdência ou não teremos mais aposentadoria", diz nota da categoria.

Ainda de acordo com o sindicato, as Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 5-Lilás e 15-Prata transportam diariamente 4 milhões de passageiros. Somente a Linha 4-Amarela, que é privatizada, não fará parte da paralisação, informou a concessionária ViaQuatro, que administra a linha.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou na manhã desta terça-feira, 14, que o Estado entrou com um pedido de liminar para garantir o pleno funcionamento das linhas do Metrô. "Não há nenhuma razão para paralisação de metroviários e professores", disse o tucano.

Os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também devem confirmar nesta terça-feira se participarão ou não da paralisação.

Protestos

Também estão previstas manifestações em avenidas e rodovias da capital e da Grande São Paulo. Movimentos populares e centrais sindicais realizarão protesto em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, na região central, a partir das 16h desta quarta-feira.

Colunas

Contraponto